A importância de conhecer a si mesmo

Alexandre Magno, 356 A.C. o grande Rei da Macedônia, dizia que conhecer a si mesmo é a tarefa mais difícil, pois incita diretamente a nossa racionalidade, mas também coloca à prova nossos medos e paixões. Se conseguirmos nos conhecer a fundo, saberemos compreender os outros e a realidade que os rodeia.

Eu sei bem o que é isso. Durante muito tempo me sentia preso, perdido, não conseguia me compreender, achava que os outros é que não me entendiam. Foi quando ouvi em uma Palestra “só o autoconhecimento nos liberta das nossas prisões”

Aprendi que através do autoconhecimento sabemos como enfrentar os desafios na vida de forma mais equilibrada. Saber realmente como somos, o que sentimos ou que metas queremos alcançar. 
Ter esta inteligência interpessoal significa compreender quem somos e não o que somos, este esta baseado nos que fazemos, saber identificar nossos pontos fortes que são as nossas capacidades e os fracos, o que pode nos impedir e entender sobre as nossas emoções, faz com que possamos gerenciar nossas atitudes e agir em consequência disso. É o tal jogo de cintura.

É possível aprimorar a inteligência interpessoal? 

Muita gente me procura com esta necessidade de se conhecer. Costumo provocar reflexões através das minhas palestras, vídeos ou para quem deseja algo mais personalizados através de um processo de Coaching. Eu te convido a refletir um pouco nas sugestões que vou apresentar:

  • Controle as suas emoções: Controlar não significa não sentir, mas sim saber como agir frente a essa emoção ou sentimento. 
    Por exemplo: se você se sente chateado, analise o motivo que o(a) faz estar assim e tente redirecioná-lo. Veja que parte sua pode melhorar ou controlar esta situação. Dependendo do caso, não se leve tão a sério aprenda a rir de si ou da situação. 
     
  • Faça um tour pelo seu seu interior. Erich Fromm dizia que “o autoconhecimento começa pela autoaceitação. Aceite-se e se conhecerá melhor”. Faça uma lista das suas virtudes e outra dos seus defeitos. Peça a alguém próximo que faça o mesmo para conhecer qual imagem as pessoas têm de você. Compare ambas listas e tente melhorar aquilo de que não gosta.
     
  • Coloque em prática. Procure refletir sobre quais comportamentos que te fizeram se sentir mal e pense como poderia solucioná-los. Por exemplo: quando você se sente triste, o que poderia fazer para mudar essa sensação? Falar com um amigo? Ponha-o em prática.
     
  • Tenha objetivos claros na vida. Antes de definir uma meta, analise quais são suas capacidades e suas limitações diante da meta. Depois crie metas de curto e médio prazo, e dê um passo que te aproxime desta meta. Isto reforçará sua autoestima e lhe ensinará a observar a sua jornada e caso precise mudar, seja flexível. Esta jornada será um ótimo exercício para conhecer a si mesmo. Lembre-se: O mais importante não é a chegada e sim a jornada, é nela que aprendemos a nos conhecer.

Aprenda a prestar atenção no que sente: procure ficar atento ao longo do dia. Preste atenção nas suas emoções de onde vem, se são suas, aprenda a conversar consigo mesmo, sempre de forma amorosa e construtiva. Antes de dormir faça um balanço do seu dia, veja o que pode ser melhorado, e saiba reconhecer seus bons feitos.

Siga estas orientações e você comprovará como, ao conhecer a si mesmo, suas relações internas e com os outros irão melhorar.

“só sabendo quem somos poderemos começar a ser melhores para nós mesmos e para os outros”.
Jorge Bucay

Por Edmar Oneda - fundador do IDHEO, e desenvolve programas de autoconhecimento, atreves de sessões de Coaching, palestras e capacitando e qualificando profissionais que desejam se tornar Profissionais Palestrantes e Coaches 

banner-coaching02.jpg